Companhia de Caçadores 5044/73 no Leste de Angola (Caianda e Jimbe)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Companhia de Caçadores 5044/73 no Leste de Angola (Caianda e Jimbe)

Mensagem por blink em Dom 16 Jan 2011, 11:02 am

Escrevo estas linhas da minha vida militar, para que de alguma forma possa compartilhar com alguém, e que seja mais um testemunho de uma vida e de análise, ao lado de outros tantos que existem, mas que continuam escondidos no subconsciente dos intervenientes.

-- Futuro Zero --

Não me vou alongar muito aqui no continente, depois de ter feito o curso de sargentos nas Caldas da Rainha, fui para Tavira, depois passei para Tancos para tirar o Curso de Minas e Armadilhas, depois estive no BC10 em Chaves e aqui já sabia que ia para Angola. Fomos depois para Espinho fazer os treinos da praxe e escolhermos o pessoal para formar as secções e os pelotões.

25 de Abril

Estou a dormir no quartel de espinho onde estou a treinar para ir para Angola daqui a 15 dias quando alguém me sacode e me retira o cobertor dizendo para meter balas reais nas cartucheiras, que íamos alinhar num golpe de Estado, olho para o relógio e vejo que são meia ou uma hora da manhã.
Sou cabo miliciano, já escolhi os homens que farão parte da minha secção de combate e estamos aqui a treinar com fogo real, já me deram as divisas de Furriel mas só as posso usar em Angola.

Vamos ao centro de Espinho e assaltamos à coronhada a sede da Legião Portuguesa, ficando sob a nossa guarda, pela madrugada dentro começam a aparecer alguns civis que nos davam dinheiro e sandes de queijo, eu ainda mal sabia o que se estava a passar, meio aturdido obedecia. Pela manhã já com o sol a levantar, então passamos de uma tropa macaca e desprezada a heróis, até as raparigas que até ali fugiam da tropa verde nos davam beijos e traziam flores e cerveja. Horas mais tarde começaram a haver encontros com os nossos superiores e alguns civis quase sempre de barba grande.

Estamos à mais de 4 horas dentro de um avião civil que a tropa alugou, prontos para viajar para Angola, só que lá fora se encontram centenas de populares à volta do avião aos gritos dizendo "nem mais um soldado para fora" . Nem a polícia militar nem a polícia civil os consegue tirar dali, só tive uma semana a seguir ao golpe de estado para me despedir da família e comprar uma mala e algumas roupas com o dinheiro que o exercito me deu, à volta de sete mil escudos.


Angola

Já estamos a sobrevoar Luanda, e quando o avião pousa e saímos para fora parecia que estava noutro mundo, aquele cheiro quente a terra vermelha, o calor que quase sufoca, aquelas mulheres feias na cara mas bonitas no corpo, fiquei logo apaixonado por aquele país.

Poucos dias estive em Luanda e sempre fechado no RI20, porque não nos deixavam sair, então meteram-nos nuns camiões civis taparam-nos com umas lonas e começamos a longa viagem até perto de Nova Lisboa. O chão de madeira fazia doer todo o corpo com os solavancos do camião que girava a grande velocidade e sempre de noite por motivos estratégicos, o cheiro a suor tresandava, e a partir daqui comecei a perceber que o mundo estava a ficar para trás, no escuro olhava-mos uns para os outros em silêncio, alguns choravam sem falarem, tentei dormir naquelas tábuas duras, mas o cérebro traía-me e punha-me a dançar no Enseada e no Casino da Póvoa, não conseguia dormir, apetecia-me dar um abraço forte ao meu pai que nunca fiz e agora já o adorava e perdoava-lhe o autoritarismo próprio de polícia.

Agora viajamos de comboio até Vila Teixeira de Sousa, à frente do comboio e desviado uns cinquenta metros deste seguia um blindado de carril que nos escoltava, e só hoje é que o capitão miliciano nos reuniu aos furriéis e alferes e nos disse que vamos para Caianda que fica a 500 metros do Zaire e Jimbe que faz fronteira com a Zambia para lá do Cazombo. Percebi logo que era uma zona de frente de combate, nós éramos uma companhia independente de caçadores C. CAÇ. 5044/73, por esse motivo só tínhamos 4 pelotões de combate e iríamos receber lá GE's e ajuda de um DGS (ex pide) que já estava na zona com alguns Flechas (ex turras do MPLA).

Caianda era uma aldeia formada por kimbos, bonita e ás vezes com festas de mukanda (circuncisão dos putos), batucadas durante dias com as pretas de peitos à mostra a dançarem e a beberem cachipenda (bebida alcoólica feita de milho).
No quinto dia já uma emissora de nome Maria Turra sabia que tinham vindo tropas novas e aliciavam-nos a deixar as armas, era proibido ouvir esta emissora, a emissora sabia muito de nós, o que nos fazia crer que na aldeia estavam infiltrados elementos do MPLA.

No sétimo dia fomos acordados ás quatro da manhã, o 2º pelotão que tinha ido levar uns mantimentos ao outro destacamento no Jimbe que dista à volta de 70 km foi emboscado, eu era o único da companhia com o curso de Minas e Armadilhas tirado em Tancos, e tivemos que ir, levei o material apropriado porque aquela zona era habitual depois de emboscadas armadilharem tanto as viaturas como os mortos. Quando chegamos ao local da emboscada depois de feito o envolvimento de segurança começamos a procurar o pessoal, alguns eram socorridos ali por um único enfermeiro que tínhamos e que nada podia fazer perante os buracos das balas, era muito escuro, tivemos que ligar os faróis das "berliet's" e "unimogs", e só através de alguns gemidos é que conseguíamos buscar os soldados que estavam dispersos pela selva. Ficamos ali até amanhecer, apanhamos algum material que o IN na retirada tinha perdido, como bonés chineses, pentes de munições da "kalachnikov", carteiras de fósforos nossas e até senhas de entrada no nosso destacamento para compra de petróleo, etc. Comecei a perceber que isto era uma guerra de carreira para os nossos superiores, porque com um pide a actuar com nós e com alguns informadores pretos espalhados nas fronteiras do Zaire e Zâmbia seria fácil detectar os movimentos do IN. A maior parte dos feridos não aguentou a chegada da DO (avioneta que só aterra até às seis da tarde e com um sim da secreta militar) e morreram, entre muitos havia um em especial, era tido como um herói, era flecha, já tinha sido do MPLA, ainda tentei apanhar alguma veia no peito do pé, mas a perda de sangue foi muita e durante muito tempo, ele ainda consciente pediu a minha mão e apertou-a com força, urinava pelos vários buracos das balas, chamava-se Tadeu.

A partir daqui e quando em operações de quatro dias começamos a desviarmo-nos das zonas de empenhamento, ou seja quando o capitão me dizia que o IN supostamente por informação do DGS estava a tantos graus, e para nós o atacarmos eu fazia o percurso ao contrário.

Durante a emboscada o IN queimou-nos a "berliet", mas o mais grave foi terem levado o rádio Racal que o IN podia utilizar os nossos canais, então o capitão falou ao pide para provocar um encontro particular com o MPLA para possível recuperação do rádio.

O encontro foi marcado de manhã cedo, caminhamos para a fronteira que não existe fisicamente, há uma picada mais ou menos em linha recta e a certa altura vê-se dois marcos de cimento tombados e alguns bocados de arame farpado podres de ferrugem a desaparecerem pela selva dentro. A uma distância de cerca 100 metros enviamos alguns soldados dos bons flanquearem a zona e em progressão lenta, eu, o capitão e mais dois alferes fomos de arma em punho pela picada e de dedo no gatilho, paramos, alguém falou em francês do outro lado, o meu capitão Pinto respondeu em francês, fez-se silêncio, sentimos que eles também estariam a flanquearem a zona deles, avançamos mais um pouco, paramos, começamos a ver alguns soldados do MPLA vindo devagar na nossa direcção, param, começam a baixar as armas, nós também baixamos as nossas, avançamos ambos mais uns metros, então eles pousam devagar as armas no chão, nós fazemos o mesmo, aproximamo-nos mais até que paramos a uns dez metros, olhamo-nos durante uns longos minutos, depois aproximamo-nos mais, o comandante deles vinha à frente e disse chamar-se Tigre, fizeram-nos continência e nós respondemos, apresentavam camuflados malhados claros. Após as apresentações ele disse que foi ele que fez a emboscada ao nosso pelotão e que estaria disposto a trocar o rádio por garrafas de brandy e grades de cerveja, mas que tinha trazido entretanto pedras preciosas para negociar, e o capitão e nós aceitamos, compramos pedras grandes de malaquite, ágatas e alguns feijões (diamantes). Despedimo-nos com continência, recuando sem ambas as partes virarem costas, com um próximo encontro para marcar através do pide.

A avioneta de abastecimento conhecida por DO, já não vinha abastecer-nos à mais de 20 dias por motivos de segurança diziam os do Comando de Sector no Cazombo que ficava a 400 quilómetros. Umas vezes ouvia-mos os motores do avião, aliás primeiro que nós, éramos avisados pelos pretos, mas davam duas ou três voltas e regressavam sem nos deixarem nada, nem correio, nem mantimentos, nem as garrafas de uisque, embora corresse-mos logo a fazer a segurança à pista. A pista era de terra batida e curta, e quando estivessem três homens armados de cada lado, então agitava-se uma bandeira verde e a DO ou aterrava, ou passava um voo razante e deixava cair os mantimentos. A fome apertava, só tínhamos arroz e esparguete com pedaços de chouriça, além das rações de combate que nos enjoavam. Então naquela noite pedi-mos ao capitão se podíamos ir à caça, é claro que foi preciso muita insistência da nossa parte para o conseguir convencer, visto ele não aceitar de início por considerar um suicídio. Penetramos numa chana de capim que entrava pelo Zaire dentro, era uma zona boa de caça, era uma hora da manhã, seguiam dois unimogs, no primeiro ia eu, um alferes e alguns homens bem armados, no segundo unimog desviado de nós aí uns cem metros vinha o outro cheio de homens também bem armados para nos protegerem. Pesquisava-mos o escuro da noite com um projector muito potente com as viaturas sempre em andamento e a varrer o capim com a luz, até que por volta das três da manhã avistamos uns olhos cintilantes, era uma palanca, fixamos a luz, aproximamo-nos devagar, e com uma G3 que tínhamos previamente posto uma prata de cigarro na mira, abatemos o animal com vários tiros. Tínhamos penetrado no Zaire aí uns quinze quilómetros, quando o terreno nos permitia conseguia-mos ver a aureola das luzes de alguma vila ou cidade zairense. Ao regressarmos começamos a não ver a viatura de apoio, paramos o unimog, tentamos comunicar com o rádio banana e eles não respondiam, o Sol já estava a nascer, viemos para trás com alguns soldados a baterem os flancos a pé, quando começamos a ouvir gritos. O "unimog" estava de rodas para o ar com alguns homens debaixo dele, o condutor tinha adormecido e bateu contra um tronco de árvore, pusemos talas improvisadas de bocados de árvore nos braços e pernas partidas, todos estavam conscientes embora cheios de dores, menos um soldado que não tinha um arranhão. Este soldado era da minha secção e era um bom rapaz, estava deitado e de vez em quando, só revirava os olhos, alguém ainda pensou que ele estivesse no gozo e deu-se-lhe umas estaladas para acabar com a brincadeira, despejamos um cantil de água em cima da cara e cabeça e nada. Pedimos outra viatura para vir fazer-nos segurança e ajudar a virar o "unimog" e porque estávamos em território do Zaire.

A DO só veio ao fim da tarde buscar os feridos e levou o corpo já morto daquele rapaz, que não tinha um arranhão e que morreu porque tínhamos fome, no relatório disseram à família que morreu em combate.
Sou acordado a meio da noite para irmos buscar o cabo condutor branco que tinha feito anos e bebido demais e andava aos tiros na aldeia, ouviam-se gritos dos aldeões e o cabo sempre aos tiros para todos os lados, não adiantava chamá-lo, até que houve ordem do capitão para o neutralizar o que tivemos que fazer, envolvemos a aldeia a rastejar e protegendo-nos visto ele atirar para tudo que o que se mexesse, foi então que um preto da aldeia chefe da milícia o tentou neutralizar de Mauser e o condutor disparou sobre o coração dele matando-o. Aí apanhamos o condutor sendo levado sob prisão para o Luso. Quanto ao chefe da milícia morto, o enfermeiro pediu autorização ao capitão para o autopsiar alegando que andava em medicina no "puto", a qual foi concedida. Era noite alta, abriram o pobre homem por todos os lados, tirava-se fotografias cortaram-lhe os orgãos genitais, um rádio tocava alto musicas merengue, numa mesa ao lado jogava-se à lerpa como se nada se estivesse a passar, bebia-se cerveja e uísque que era oferecido todos os meses pelo exercito, pareciam canibais aqueles copos de leite que eu conheci no "puto", retirei-me daquela cena macabra enojado.

Passados poucos dias o pide marcou encontro com o comandante Tigre, só que agora desta vez seria no nosso destacamento, até porque o 25 de Abril já estava a penetrar nas matas de Angola, e eles lá vieram ficaram as armas todas guardadas por nós, tinham RPG7, Simonov, Kalachnikov, e Daktariev, almoçamos todos juntos o rádio foi restituído foi-lhes dado garrafas de brandy Constantino e voltamos a negociar em diamantes.

Passado dois ou três meses recebemos ordem para entregar os nossos destacamentos com dois canhões sem recuo e uma berliet a estes soldados do MPLA, e viemos para um outro destacamento de nome Dalas perto do Luso, onde também comprei alguns diamantes. Depois viemos para Luanda onde começou a desenhar-se a guerra civil, com os recolher obrigatórios.
Os Movimentos armados teriam que criar bases politicas, e implementarem sedes politicas com pelo menos 5000 associados se não me engano. É claro que isto não aconteceu eles mantiveram as bases militares na periferia de Luanda, e nós íamos buscar elementos do MPLA ou da Unita aos seus quartéis para integrar-mos uma força de patrulha mista, usava-mos no braço uma abraçadeira FI, e andava-mos nos unimogs a patrulhar a cidade, e a resolver “macas” zaragatas.
Tivemos que cercar o bairro Cazenga, onde se infiltraram elementos que mataram um sargento da Unita que fazia uma dessas patrulhas, e houve ordem passados uns dias para se abrir fogo. Houve muitas mortes, até os porcos comiam os cadáveres, depois já era a Vila Alice que tínhamos que cercar para se capturar o Lúcio Lara do MPLA por se ter desconfiado que tivesse sido ele que tivesse provocado a morte e ataque á tal patrulha mista (FI- Forças Integradas). Todas as noites, e durante o dia o céu era constantemente riscado por balas e RPGs, até as ambulâncias eles atacavam. Chegaram a penetrar no Hospital civil e os do MPLA matarem os da Unita e vice-versa. É claro que nas reuniões que tínhamos antes de operações, os superiores nos nadam sempre a entender para ajudarmos o movimento que diziam ser o mais legítimo que era o MPLA, penso que por ordem do Rosa Coutinho.

Entretanto conseguimos chegar aos dealers de diamantes em Luanda e vendi-os para comprar uma moto Honda 650, só que o azar desta vez bateu-me à porta, quando ia comer um gelado num quiosque em frente ao restaurante Barracuda em frente ao Hotel Chinês perto da base naval, um senhor chamado Corte Real abre a porta do seu Mercedes e parti a perna, acabando a guerra para mim, tendo que ser operado duas vezes para pôr e tirar as platinas, e ainda hoje sinto as mazelas de muitas noites dormidas com o dólmen, e a perna partida na tíbia e peróneo.

Estas linhas são um testemunho real e é um condensado de algumas partes que eu considero mais marcantes de toda a minha vida, e ainda hoje carrego este fardo de imagens pesadas como se de chumbo se tratasse.

Sempre ao dispor

António Carlos da Silva Moura
ex Furriel Miliciano nº mecan. 01740073
da companhia C. CAÇ. 5044/73 algures no leste de Angola

blink

Número de Mensagens : 1
Idade : 65
Data de inscrição : 16/01/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum