Fórum dos Veteranos da Guerra do Ultramar
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

UM CAMARADA VETERANO NA NECESSIDADE

Ir em baixo

UM CAMARADA VETERANO NA NECESSIDADE Empty UM CAMARADA VETERANO NA NECESSIDADE

Mensagem por PEREIRA GARCEZ em Seg 24 Ago 2009, 12:57 pm

PODEM ENVIAR O VOSSO COMENTARIO DIRECTO AO JORNAL "O MIRANTE"
E AO MESMO TEMPO COMENTAR NO FORUM

do Jornal O MIRANTE
A comentar
Quatro cães e uma história de amor que a guerra matou





Chama-se Mário dos Reis, tem 64 anos, e é um antigo combatente do Ultramar. Vive com quatro cães numa casa sem água ou luz em Santarém. Na segunda-feira o homem, que costuma passar os dias no jardim frente ao tribunal, recebeu a visita de dois dirigentes da Associação de Combatentes do Ultramar Português, que viajaram 300 quilómetros desde Castelo de Paiva, para o tirar da rua. A Segurança Social está a dar prioridade no acesso a lares públicos a ex-combatentes sinalizados pela associação, mas a hipótese de alugar um quarto ou integrar uma instituição está fora de questão. Mário não teria possibilidade de levar os companheiros. “Mário dos cães” já se habituou a ter o céu como tecto e não troca a liberdade pelo conforto limitado de quatro paredes. Prefere continuar a procurar uma quinta onde possa trabalhar a troco de um lugar para dormir e de um espaço para os animais. Usa boné camuflado, barba aparada e roupa limpa. O banho é tomado na Misericórdia de Santarém, morada para onde seguem 187 euros de rendimento social de inserção. “Gosto da vida que levo! O meu problema é o mesmo de todos os que combateram no Ultramar”, desabafa. Hoje traz queijo para o almoço. Sabe fazer pão, amassá-lo e até produzi-lo. De alguma coisa lhe serviu o curso de regentes agrícolas. Evita cozinhados à falta de um frigorífico onde possa manter os alimentos. Foi operário, tipógrafo, soldador, trabalhou na indústria química e foi vidreiro. Nasceu em Atouguia, Ourém. Gosta de cantar e fazer poesia sobre os desencontros da vida. Quando fala de amor os olhos enchem-se de lágrimas. Falar do coração é falar de Manuela “a miúda com quem ia casar”, mas que a guerra apartou. Hoje é insensível a quase tudo, mas tem alguns amigos. Despreza o cinismo e a vaidade. Foi legionário e foi às voltas pelo mundo que aprendeu a falar alemão, castelhano e árabe. São os cães que o seguram à cidade e ao país. Se assim não fosse voltaria a fazer-se à estrada. A liberdade é a sua forma de vida. Ana Santiago E-Mail: omirante@omirante.pt
PEREIRA GARCEZ
PEREIRA GARCEZ

Número de Mensagens : 77
Idade : 79
Data de inscrição : 04/05/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum